Ar – respirar é preciso.

Postado por:

Você pode ficar muitas horas sem beber água. Pode também ficar até alguns dias sem comer nada. Mas não agüentará ficar por mais de algumas dezenas de segundos sem o precioso ar. O mesmo acontece com os bichos e com as plantas. De todas as poluições que convivemos nos tempos atuais, a pior é e será sempre a do ar. A água poluída e a comida contaminada podem ser rapidamente avaliadas e rejeitadas, mas não podemos recusar o ar que está ao nosso redor naquele exato momento em que o corpo exige uma nova ventilação pulmonar.
Todos nós somos absolutamente dependentes do oxigênio contido no ar para respirar. E, por incrível que pareça, durante a correria do dia-a-dia, não nos damos conta de que estamos constantemente inspirando oxigênio e expirando gás carbônico. Com toda essa importância, o ar merece cuidados especiais para que o meio ambiente em que vivemos tenha e proporcione uma boa qualidade de vida.

Ar poluído mata três milhões por ano

Três milhões de pessoas morrem, anualmente, devido aos efeitos da poluição atmosférica no mundo. Isso representa o triplo dos óbitos por ano que decorrem de acidentes automobilísticos. A informação é proveniente da Organização Mundial de Saúde (OMS). Mas de onde vêm esses poluentes que contaminam o nosso ar?
Gerados principalmente pela queima dos combustíveis fósseis (usinas elétricas a carvão e automóveis movidos à gasolina e à diesel), os poluentes e elementos tóxicos contaminam o ar que respiramos e ao longo do tempo acabam ocasionando problemas respiratórios e/ou circulatórios. Abaixo estão alguns deles:

Monóxido de carbono (CO) – gás altamente tóxico produzido pela queima incompleta de hidrocarbonetos, como os combustíveis fósseis, ou pela decomposição parcialmente anaeróbica de matéria orgânica.

Ozônio (O3) – é um composto formado quando o gás de oxigênio é exposto à radiação ultravioleta. Na atmosfera externa (chamada estratosfera), o ozônio protege a Terra contra a radiação excessiva. Na atmosfera inferior (troposfera), forma-se a partir de gases de combustão e, em grandes concentrações, torna-se um poluente atmosférico.

Dióxido de enxofre (SO2) – é formado principalmente pela combustão dos derivados de petróleo e do carvão mineral. Provoca problemas no sistema respiratório e é causa de bronquites e distúrbios graves, como o enfisema pulmonar. No ar, o dióxido de enxofre pode ser transformado em trióxido de enxofre, que, para as vias respiratórias, é ainda mais irritante que o primeiro. Os vegetais são muito sensíveis aos óxidos de enxofre: suas folhas amarelam e, sob altas concentrações de óxidos, chegam a morrer.

Óxidos de nitrogênio – o dióxido de nitrogênio (NO2) é o poluente produzido pelas descargas dos motores de automóveis, especialmente os movidos a óleo diesel e gasolina. Os óxido de nitrogênio constituem a névoa seca que se forma sobre grandes cidades, por ação das radiações solares sobre os gases expelidos pelos veículos automotores. É tóxico para as vias respiratórias, provocando enfisema pulmonar. Reduz a fotossíntese nas plantas e danificada a pintura de carros e outros objetos.

Clorofluorcarbono – é o famoso CFC, uma classe de compostos orgânicos que contém carbono, cloro e flúor. O Freon, nome comercial de um clorofluorcarbono, é usado como propelente em aerossóis, compressores de geladeiras, na fabricação de espumas e para a limpeza de placas de circuito de computadores. Os CFCs não são tóxicos, mas estão sendo abolidos porque se acumulam na atmosfera superior, onde a luz solar os transforma em agentes químicos que destroem a camada de ozônio que protege a superfície da terra da radiação ultravioleta do Sol, muito prejudicial aos seres vivos.

Particulados – partículas sólidas ou líquidas finamente divididas no ar ou em uma fonte de emissão. Eles incluem poeira, fumos, nevoeiro, aspersão e cerração. Em geral, são menores do que um mícron de diâmetro, de controle muito difícil, permanecendo no ar durante muito tempo e podendo penetrar profundamente no pulmão humano.

Poluição e clima

Desde a Revolução Industrial, o homem já jogou 270 milhões de toneladas de gases na atmosfera. Hoje, eles formam um cobertor a 20 quilômetros de altitude que impede o calor do Sol refletido pela Terra de escapar. O resultado é o Efeito Estufa.
A queima de combustíveis fósseis (carvão, óleo e gás por exemplo) emite toneladas de carbono. A decomposição de lixo a céu aberto e o gado quando pasta liberam metano, o que é prejudicial para a atmosfera. Milhões de escapamentos de carros, conforme explicado anteriormente, mandam dióxido de carbono e óxido nitroso para o ar. Os desmatamentos, as queimadas, o gás CFC (clorofluorcarbono) usado em geladeiras, espumas plásticas e aerossóis, tudo isso gera conseqüências que se refletem em mudanças severas no clima, derretimento da calota polar, aumento do nível dos oceanos e enchentes devastadoras.

O Protocolo de Kyoto é um desdobramento da Convenção sobre Mudanças Mudanças Climáticas da ONU assinada na Rio92. Ele prevê o comprometimento até 2012 da redução de pelo menos 5,2 % das emissões totais de gases que causam o Efeito Estufa por parte dos países desenvolvidos, em relação aos índices de 1990. O documento levou esse nome porque foi assinado na cidade japonesa de Kyoto, em 11 de dezembro de 1997 e seu principal objetivo é estabilizar as concentrações dos gases tóxicos para evitar o aquecimento do planeta e todos seus efeitos no ciclo natural.
Apesar do protocolo já contar com a adesão de mais de 55 países, número mínimo exigido para sua vigência, também é preciso que, entre os países signatários, estejam os responsáveis pela emissão de, no mínimo, 55% do dióxido de carbono (CO2) lançado em 1990 pelos países industrializados. Até agora, a soma das emissões de todos os membros que compõem o acordo atinge apenas 35,8% (veja nesta página o quadro “Emissões Mundiais de Dióxido de Carbono).
Enquanto isso, a Terra vista pelo pioneiro do espaço, o astronauta russo Yuri Gagarin, já não é mais a mesma. Em 1961, ao se tornar o primeiro homem a ver o planeta do espaço, Yuri proferiu a famosa frase: “A Terra é azul”. Infelizmente, para a nova geração, como Frank Culbertson, comandante da Estação Espacial Internacional (ISS), o nosso planeta está hoje mais para o cinza, devido à inexorável ação humana. Daqui de cima, vemos áreas desmatadas, sem nenhuma vegetação, nuvens de poluentes do ar e poeiras em áreas antes limpas. Isso nos mostra que temos de cuidar melhor da Terra daqui para a frente”, diz Culbertson. Segundo o astronauta, as mudanças na natureza e na cor da Terra são analisadas desde o início da década de 90, quando o projeto da Estação começou. Mas ele assegura que elas nunca foram tão impressionantes como nessa atual viagem e que são principalmente mais visíveis nos países desenvolvidos.

O problema americano

Os Estados Unidos, um dos maiores poluidores do planeta, acusado por ambientalistas de se negar a assumir sua responsabilidade histórica quanto ao problema, apresentou um plano alternativo já que não quis se comprometer com as metas previstas em Kyoto. É o programa “Iniciativa Céu Limpo” que promete medidas voluntárias para a indústria do país. Na proposta encabeçada por Bush, o crescimento econômico vem primeiro e a despoluição é uma eventual consequência. As emissões de gases-estufa passam a estar relacionados com o crescimento do PIB, passando de 183 toneladas por milhão de dólares em 2002 para 151 toneladas em 2012.
As críticas sobre a postura da potência falam de boicote, pois ao invés de cortar o mal pela raiz, no caso o dióxido de carbono que é o principal gás tóxico, Bush pretende diminuir até 2018 as emissões de três outros gases que juntos não chegam a 15% do prejuízo global. Segundo o presidente norte-americano, “nações em desenvolvimento como a China e a Índia também lançam na atmosfera uma imensa quantidade de gases do Efeito Estufa e é irresponsabilidade não obrigá-las a se comprometer”, alega, dividindo a culpa com os vizinhos.
Entretanto, para Jeremy Rifkin, 57 anos, autor do livro “A Economia do Hidrogênio – A Criação de uma Nova Fonte de Energia e a Redistribuição do Poder na Terra” e professor da Wharton School, uma das mais renomadas escolas de administração dos EUA, “O governo Bush se negou a assinar o Protocolo de Kyoto porque achou que as exigências eram muito grandes. O problema é o contrário. O protocolo é muito tímido. Precisamos é acabar com as emissões de carbono”, rebate em entrevista à revista Veja de 8 de Janeiro de 2003.

O Instituto foi conferir

Para chegar como quem não quer nada, nossa jornalista de plantão aproveitou o período de vistoria anual de veículos no posto do Detran na Alvorada (Barra da Tijuca), no Rio de Janeiro para averiguar a inspeção relativa à medição de gases poluentes sem se identificar, apenas como uma mera cidadã curiosa.
Segundo o vistoriador Felipe de Oliveira, 23 anos, a aprovação no teste de emissão de gases poluentes só é obrigatória para veículos de placa vermelha (taxis, vans, ônibus e caminhões). Quanto aos carros convencionais, a reprovação não impede a circulação nem restringe o novo documento anual. Além disso, essa medição é feita apenas no Rio de Janeiro entre todas as cidades do Brasil.
Diante de novas dúvidas e muitos porquês sem resposta, nossa repórter foi encaminhada para a técnica de auditoria Andréia Castro para maiores esclarecimentos. De acordo com a nova fonte, esse procedimento é relativamente novo, tendo sido implantado em 1997, em caráter experimental, graças ao convênio Detran/FEEMA (Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente) que é parte do PROCONVE- Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores, instituído pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA).
Existe a intenção de que a avaliação se propague no país e que tenha caráter obrigatório mesmo para os carros de passeio. Mas, segundo Andréia, ao ser perguntada sobre a previsão do serviço para São Paulo, que detém a maior frota do país, “ainda não há, de fato, uma previsão para essas metas”. Como se percebe, as leis nacionais voltadas para essa questão particular dispõem de belas diretrizes. Entretanto, a distância entre o que diz a lei e o que acontece na prática realmente é incomensurável.]
A seguir são citadas mais algumas informações interessantes constatadas nesta incursão ao posto do DETRAN.
– A maior causa de reprovação no teste de emissões de gases poluentes por automóveis é pela má regulagem do motor. Portanto, procure oficinas de bom padrão, que disponham de equipamento adequado, preferindo sempre a regulagem eletrônica.
– Nove em cada dez kombis que circulam na cidade do Rio de Janeiro não estão rodando dentro dos padrões adequados para o motor, quanto às emissões de poluentes perigosos.
Segundo o Manual da Divisão de Qualidade do Ar (DIAR), setor responsável da FEEMA, a combustão completa, que ocorre somente quando o seu carro está regulado, e que já é nocivo para o ar, gera basicamente dióxido de carbono (CO2) vapor d’ água (H2O). No entanto, quando não há regulagem, a combustão completa não se efetiva, sobrando combustível não-queimado e gerando ainda mais toxinas para a atmosfera, como o material particulado (fuligem), aldeídos, dióxido de enxofre (SO2), óxido de nitrogênio (NOx) e hidrocarboneto (HCs).

Saúde

Sabe-se que a exposição à poluição acelera o envelhecimento por aumentar as substâncias oxidantes no organismo. Mas não é só isso. O monóxido de carbono causa lentidão dos reflexos e sonolência. O dióxido de nitrogênio pode agravar a asma e reduzir as funções do pulmão. O ozônio também causa inflamação nos pulmões, diminuindo a sua capacidade enquanto os particulados menores (com menos de 1/2.400 de uma polegada) podem se alojar nos alvéolos pulmonares e provocar enfermidades respiratórias e cardiovasculares. Além disso, a poeira pode criar alergias, irritação da vista e da garganta.
O aumento dos gastos relacionados às doenças causadas pela poluição atmosférica incluem desde os custos com medicamentos e tratamentos até a ausência no trabalho. Na província canadense de Ontário, por exemplo, que tem uma população de 11,9 milhões de habitantes, a poluição do ar custa cerca de 1 bilhão de dólares por ano ao bolso dos contribuintes, somente com as hospitalizações.

Qualidade de vida

Você já sentiu aquela sensação ofegante ao praticar alguma atividade física? O motivo de uma simples falta de fôlego pode estar no ar. O local escolhido para a malhação conta muito. “Se o ambiente é poluído, o rendimento cai”, afirma o fisiologista Raul Santo, da Escola de Educação Física da Polícia Militar de São Paulo, que fez uma pesquisa sobre a performance cardiorrespiratória, até então pouco aprofundada.
O especialista analisou os batimentos cardíacos, a pressão arterial e o desempenho de um grupo de 25 pessoas ao praticarem corrida em duas cidades paulistas, a litorânea e limpa Bertioga e Cubatão, famosa pela sujeira na atmosfera. Para realizar o mesmo trajeto, no mesmo tempo, pulmões e coração tiveram que fazer muito mais esforço na cinzenta Cubatão. E não pense que o problema é exclusivo de centros industriais. Mesmo regiões distantes da fumaça podem oferecer grande concentração de poluentes, pois os gases formadores de poluição são facilmente empurrados para longe.

“O nível de concentração de gases tóxicos está muito ligado à capacidade de dispersão dos poluentes”, esclarece Carlos Eduardo Negrão, da Divisão de Qualidade do Ar da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental de São Paulo (Cetesb). Saiba que metade da poluição urbana no Brasil vem dos carros. Portanto, se você vive em uma capital, é bom correr atrás de ar puro de verdade. Caso o contrário, vai perder o fôlego antes do que imagina.

Dicas para driblar a fumaça

– Fuja de locais com muitos carros, pois eles emitem muita poeira. Os parques, por possuírem pequenas quantidades dessas partículas, são os lugares mais indicados.
– Evite praticar exrcícios ao ar livre em dias muito quentes e secos. Nessas condições, o corpo ainda é mais exigido.
– Prefira malhar logo cedo. Além da quantidade de carros ser menor, durante a manhã há menos ozônio, pois seu pico costuma se dar à tarde.
– Academias são uma boa saída. Estudos mostram que a concentração de poluentes em um ambiente fechado é bem menor.

Atitudes para colaborar

– Não queime lixo em hipótese alguma, principalmente plásticos, borrachas, estopas e vasilhames de produtos químicos como solventes, inseticidas, óleos e graxas. A fumaça gerada pela queima desse tipo de lixo quando não realizada em incineradores adequados são extremamente danosas ao meio ambiente.
– Não fume se estiver grávida. Mesmo dentro da barriga da mãe, o filho pode sofrer os problemas causados pela fumaça tóxica do cigarro.
– Evite fumar perto das crianças. Não prejudique a saúde delas ao obrigá-las a serem fumantes passivas. Seu desenvolvimento físico poderá ser prejudicado.

Alternativas: o que tem sido feito

Em resposta ao quadro alarmante gerado pelos transportes, alguns governos adotaram medidas para tentar controlara a poluição. Bogotá, na Colômbia, por exemplo, reduziu em 40% o tráfego durante o horário de pico e aumentou o imposto sobre a gasolina. Cerca de 120 quilômetros das principais vias são bloqueados por sete horas aos domingos. Especialistas recomendam soluções simples, a serem adotadas pelos cidadãos como incentivar o uso de bicicletas, transportes de massa ou simplismente andar mais. Privilegiar o metrô, como em Nova Iorque, ferrovias ou os ônibus expresso.
O ordenamento do solo e outros instrumentos reguladores poderão ser utilizados para encorajar empreendimentos de maior densidade, condizentes com o transporte de massa. Subsídios governamentais e incentivos fiscais poderão deslocar-se para a produção de várias formas de energia mais limpa.

Novo conceito: gás natural veicular

O Gás natural gasta menos e roda mais, aumenta a vida útil do motor, reduz os custos com manutenção enquanto o ar que você respira permanece mais limpo.
Considerada uma das mais importantes alternativas do mercado, o gás natural é um combustível que custa, em média, 50% a menos que a gasolina e ainda roda, em termos de quilometragem, 20% a mais. Somando os benefícios, o uso dessa fonte de energia reduz em mais de 60% as despesas do veículo, além da queda de nível de emissões de gases poluentes na atmosfera. O lado interessante para o meio ambiente é que o gás natural proporciona uma combustão limpa, com baixíssima emissão dos vilões do nosso ar, proporcionando uma melhor qualidade de vida para as populações das grandes cidades.
Para fazer a conversão do motor de um carro convencional para o gás natural, são instalados alguns componentes que não inutilizam a opção gasolina ou álcool do veículo, que pode ser acionada por meio de uma chave instalada no painel. Para isso, há um cilindro que é colocado no porta-malas. Incluindo o kit de conversão mais a mão-de-obra, o consumidor interessado vai desembolsar de 2 a 3 mil Reais e a instalação pode ser realizada por mais de 800 oficinas no Brasil autorizadas pelo INMETRO.

Serviço – Dicas Úteis

– Faça a conversão somente em oficinas homologadas pelo INMETRO. Exija da oficina nota fiscal e certificado de homologação emitido pelo INMETRO. Esse documento permitirá fazer o registro de conversão no Detran.
– As reivindicações periódicas do kit e cilindros só devem ser realizadas nas convertedoras homologadas pelo INMETRO.
– Recuse peças usadas, cilindro recondicionado ou de procedência desconhecida e tubos de cobre.
– Na instalação exija tubos de aço
– Saiba mais no atendimento ao cliente pelo site www.inmetro.gov.br

Boa notícia: àgua do mar ajuda a despoluir o ar

A evaporação natural de água do mar ajuda a combater a sujeira atmosférica ao provocar chuvas, mantendo o céu mais limpo. A descoberta feita por cientistas israelenses foi publicada na revista “Science” no fim do ano passado.
Já havia sido comprovado que, sobre a terra, partículas de poluição do ar impedem a formação de chuvas porque as gotas de água em nuvens poluídas não conseguem crescer o suficiente para provocar uma precipitação. Sobre os oceanos, conforme demostrou o estudo, acontece justamente o oposto.
Como as partículas de sal são muito maiores do que as de poluentes, elas atraem as gotículas de água, produzindo gotas pesadas o bastante para provocar chuvas. Tal processo, observado pela primeira vez, colobora muito na purificação do ar.
A coordenação da pesquisa foi feita por Daniel Rosenfeld, da Universidade Hebraica de Jerusalém. Isso prova que não é só de denúncias sem solução ou tragédias sensacionalistas se sustentam as notícias sobre meio ambiente.
É nesse eixo do aprimoramento, da transição e da evolução que o Informativo do Instituto Ecológico Aqualung procura atuar: mostrando as coisas que precisam ser melhoradas e, principalmente, divulgando propostas e soluções para os problemas ambientais. Afinal, apontar erros é fácil, difícil é reconhecer nos erros oportunidades de crescimento através de um contínuo processo de renovação baseado na melhoria contínua.

* Cíntia Rygaard é jornalista especializada em Meio Ambiente.
Fonte: http://www.institutoaqualung.com.br/info_ar57.html

0

Sobre o Autor:

Enviar um comentário