Óleo de coco

Postado por:

Conhecendo os benefícios do Óleo de Coco

O coco é bastante difundido no Nordeste brasileiro e seu óleo, rico em TCM (triglicérides de cadeia média) é amplamente utilizado pela indústria alimentícia. A gordura bruta de coco foi bastante utilizada no passado sendo posteriormente substituída na culinária por óleos vegetais industrializados e margarinas.

O óleo de coco é um derivado da massa do coco, rico em gorduras saturadas. Em relação à sua produção, o óleo de coco é extraído a frio, pois como todo óleo que passa por processo de hidrogenação, como no caso das margarinas, também o de coco, se industrializado e muito aquecido, torna-se rico em gorduras trans, que causam oxidação e prejudicam o equilíbrio do perfil lipídico do sangue. A vantagem das gorduras saturadas, como a de coco, é que são as mais resistentes à oxidação e mais estáveis ao calor. Portanto, podem representar uma opção interessante para uso culinário.

Geralmente os óleos vegetais são compostos basicamente de ácidos graxos de cadeia longa e armazenados no organismo como gordura corporal, ao contrário do óleo de coco, que é utilizado como energia para o metabolismo. Isso porque, apesar de o óleo de coco ter em sua composição uma elevada concentração de ácidos graxos saturados, estes, são de cadeia média, apresentando então, comportamento metabólico diferenciado em virtude de suas características estruturais. Os triglicerídeos de cadeia média (TCM) apresentam fácil metabolização e baixa capacidade de oxidação, tanto no ambiente quanto no organismo. Sendo assim, não representam um fator de risco cardiovascular e, ao contrário, podem exercer um efeito protetor.

Com as novas constatações científicas foi possível verificar que uma dieta rica em óleo de coco não aumenta o colesterol e nem o risco de se desenvolver doença coronariana, como se imaginava, mas opostamente, o óleo tem a propriedade de aumentar a fração HDL do colesterol. Além disso, a gordura do coco leva à normalização dos lipídeos (gorduras) corporais, protege o fígado dos efeitos do álcool e aumenta a resposta imunológica contra diversos microrganismos, sendo também benéfica no combate aos fatores de risco para doenças cardiovasculares.

Com base nestes dados conclui-se que o produto não é prejudicial e, ao contrário, pode ajudar a proteger o organismo e promover a saúde.

Atualmente o óleo de coco está sendo muito utilizado como um suplemento, na sua forma natural e em cápsulas.

Cerca de 50% da gordura do coco é composta pelo ácido láurico, o seu principal ácido graxo de cadeia média, que, no corpo humano se transforma em monolaurina, um monoglicerídeo capaz de exercer ação antibacteriana, antiviral e antiprotozoária, por meio da destruição da capa lipídica de vários microorganismos, tais como: Cândida albicans, Citomegalovirus, Clamídia, Estreptococos, Giárdia, Helicobacter pylori, Herpes, entre outros.
Além do ácido láurico, cerca de 7% dos ácidos graxos do coco é composto pelo ácido cáprico, que se transforma no organismo em monocaprina, um composto também com propriedades antimicrobianas, notadamente contra o vírus HIV, a Clamídia, o ambos os tipos de herpes, simples e zoster.

Recentes pesquisas comprovam ainda que o óleo de coco pode desempenhar atividade antiinflamatória devido à sua capacidade de elevar os níveis da interleucina 10, um poderoso agente antiinflamatório. As mesmas pesquisas, ainda citam uma possível relação entre o consumo do produto e a menor incidência de câncer de mama e câncer de cólon.
O óleo é também rico em vitamina E, um grande agente antioxidante. Uma vantagem do óleo de coco é que ele se conserva por longos períodos, sem necessidade de refrigeração ou adição de produtos químicos.

Embora os estudos atuais demonstrem as propriedades nutricionais benéficas do óleo de coco, a Organização Mundial da Saúde (OMS) ainda não o reconhece como um alimento funcional, e portanto, não estabeleceu a recomendação do consumo do produto e de seus componentes.

As pesquisas, no entanto, indicam que um adulto provavelmente obtém os benefícios do alimento ingerindo de 10 a 20 g de ácido láurico por dia.

Referências

BONTEMPO, M. Óleo de coco extra virgem. Disponível em: http://bit.ly/csuFaC. Acesso em: 13 de setembro de 2010.

MACHADO, G.C.; CHAVES, J.B.P.; ANTONIASSI, R. Composição em ácidos graxos e caracterização física e química de óleos hidrogenados de coco babaçu. Revista Ceres, 53(308):463-470, 2006 .ASSUNÇÃO, M.L. Alterações dos fatores de risco cardiovascular segundo o consumo de óleo de coco. Disponível em: http://en.scientificcommons.org/30094686. Acesso em: 14 de setembro de 2010.ENIG, M. G. Health and Nutritional Benefits from Coconut Oil: An Important Functional Food for the 21st Century. Presented at the AVOC Lauric Oils Symposium, Ho Chi Min City, Vietnam, 25 April 1996.

Fonte: RGNutri
http://rgnutri.com.br/

5

Sobre o Autor:

  Artigos Relacionados

Comentários

  1. benedito correia de brito  Abril 3, 2012

    Ontem no dia /04/2012.
    Ouvi um complementário sobre óleo de coco, que não é apropriado e recomendo como benéfico a saúde?
    Gostaria de obter resposta de médicos especialista do assunto.
    Obrigado pela atenção.

    responder
  2. doc  dezembro 4, 2012

    Na verdade não acredito que o óleo de côco como tem sido vendido seja uma boa ideia consumir.

    Como toda a gordura é de alta caloria. Se passamos da conta pode dar problemas de vesicula, hepáticos e diarréia frequente.

    Na verdade a parte que interessa do óleo de côco é apenas uma fração do mesmo, ou seja, é retirada uma parte do óleo o resto vai pra sabão. Essa parte que retiram se chama MCT (medium chain triglicerides) ou seja, Triglicerideos de cadeia média. Esta parte sim é a interessante sob o ponto de vista nutricional, mas custa muito caro. O resto não interessa consumir.

    responder
  3. Vania  setembro 14, 2015

    Gostaria de saber sobre o efeito do óleo de coco para pessoas com Alzheimer.

    responder
  4. óleo de coco natural  dezembro 2, 2015

    Estava lendo uma reportagem sobre o uso do óleo de coco para prevenção do Alzheimer, Acho que a questão é só as pessoas não utilizar as coisas em quantidade errada. Tudo faz bem pra saúde se for consumido de forma correta e saber suas limitações, algumas pessoas tem problemas no figado e não é recomendado, mais é questão é sempre melhor ter acompanhamento medico antes que começar a utilizar qualquer coisa pra fins terapêuticos ou nutricionais. Eu utilizo bastante óleo de coco em minha casa, para hidratar os cabelos e temperar saladas. Adorei o artigo sobre o óleo de coco.

    responder
  5. claudomiro  Março 8, 2017

    Como td se moderado é muito bom se senyir alguma reaçao é por que ta matando as bacterias ,se colocar remedio numa ferida esposta arde assim é com o oleo de coco,mas seja moderado em td

    responder

Enviar um comentário