O que os outros vão pensar de mim?

Postado por:

A lição de Lesson
ou … “O que é que vão pensar de mim?!?”……

IGOR ARAFILOV
Consultor em RH e Design Thinker

Este pensamento persegue todos nós em menor ou maior grau. Já dizia Aristóteles “O ser humano é um animal social por natureza”.

Judicofobia
1 – medo do julgamento dos outros sobre si.
2 – medo da perda da reputação,

(segundo o “Dicionário Igor de Fobias” Rafailov), e faz com que cada um de nós tome atitudes inusitadas para manter uma aparência e reputação.

“O que leva ao que fiz é aquele medo de perder a boa reputação, com os que estavam à minha volta” foi explicação dada por Nick Lesson, ex operador de valores que faliu o Banco Barings, em investimentos arriscadíssimos e jogos de cassino com 800 milhões de libras esterlinas com dinheiro de correntistas. Até então Lesson era tido como ótimo conselheiro para apostas em bolsa de valores. Só para recordação, o Barings, era um tradicional banco inglês e gozava a confiança da nobreza britânica. A experiência demonstrada pelo psicólogo social Solomon Asch é muito clara sobre o poder da sugestão diante do grupo. O “efeito Asch” comprova o medo da rejeição pela pressão do grupo, inseguranças individuais e do receio de talvez estar errado.

Se dos profissionais é exigido o sucesso absoluto, ele fará o possível, e o impossível (é mesmo, o impossível) para que sua reputação não seja ferida. E ela é diretamente proporcional ao status dele numa hierarquia profissional, social, tribal, grupal…. que este ocupa. O já detido Lesson explicou “Eu não queria me expor a ninguém e isso, esse medo, estava acima de tudo”.

Todos nós precisamos sentir fazer parte de grupos, seja amigos, empresa, (os japoneses são especialistas em transformarem a empresa em religião), nação, time de futebol, igreja, partido, seita, turminha da praia, … para formar o que o Prof. Janis batizou de pensamento grupal.

Todos nós combinamos nossas paixões para sentirmos diferentes com a de nos identificarmos com um grupo ou uma tribo. E mesmo pessoas de muita inteligência, e ante de dados claros que comprovam a direção de atitudes e decisões a serem tomadas seja uma, tomam em nome deste pensamento grupal a decisão para o lado errado.

Quando deste medo está na sua empresa? Tem em todos nós! Segundo a autora espanhola Pilar Jericó, existem cinco medos claros na empresa, e é o segundo tipo de medo; “Tenho necessidade de que gostem de mim”, as pessoas se sentem escravas do medo da rejeição. No mundo latino a cultura orienta em buscar a harmonia entre as pessoas. Isto já é bem diferente nas culturas japonesa e estadunidense onde participar de atividades numa rua ou de um karaokê desafinado sem uma gota de bebida, e não estarem constrangidos por isto.

Segundo estudo feito por McCelland isto tem a ser com a religião predominante. No catolicismo dá muita importância ao espírito associativo. Já bem oposto à máxima católica, no calvinismo prega; “O teu sucesso nesta terra é o sinal do que conseguirás na outra vida”. O que reforça as idéias dos filósofos Max e Fromm que no calvinismo e luteranismo onde a máxima é a dignidade pelo trabalho e a sua eficácia. E no mundo corporativo o que é cobrado, é através da máxima protestante.

E em sua empresa, quantos “Lessons” existem? Ou mesmo você já passou por situações idênticas? Em São Paulo uma luxuosíssima loja de importados instalada num “palácio-shopping” com heliporto só funcionava com a clara sonegação aduaneira, e a proprietária “não enxergava assim”. Isto para manter a sua reputação elevada, mente ou pior impõem se a auto-mentira. Lesson foi depois lúcido ao afirmar “Neste ponto, uma avalanche de emoções atravessa o seu corpo. A motivação central foi não ser desmoralizado perante meus conhecidos”

Outro exemplo aqui conhecido, um superpoderoso jornalista executivo de São Paulo, ter assassinado a sua ex namorada, e colega subordinada de empresa, por ela o rejeitar amorosamente.

Ato falho? Erro? Lapso de memória? Sob a ação da dopamina? Overdoses desta dopamina que nos faz estar em fase de paixão cega. Todos nós humanos vivenciamos estes momentos onde a estupidez vence a lucidez.

Será que você duvida ainda que “Lessons”, e similares não existam em sua empresa? Ou mesmo em você? Você ignora a existência do inconsciente seu e de seus colegas? Que ações são feitas em sua empresa para ele ser identificado e controlado antes?

Afinal 85% de nossas decisões são tomadas por razões emocionais e pouco as racionais.

Ninguém esta isento da judicofobia. Nem você! Parece até rima de carnaval, mas: “Que você vê que foi Lesson, sirva para todas nós como lição”.

E você, que pensa sobre você?

Sugestão para leitura:

•    Morrel, C. – “Erros estúpidos e decisões absurdas” – Uma reflexão sobre a estrutura das decisões, Editora Campus, Rio de Janeiro. 2003 – ISBN 8535212037

Morrel é sociólogo, e diretor de Recursos Humanos de multinacional francesa. O livro traz casos cotidianos e famosos como a Challanger, Tschernobil, petroleiro “Rui Barbosa”, usar grandes planilhas de Excel em apresentações de Power Point e outras situações cotidianas e decisórias em ambiente corporativo ou coletivo.

Sugestão para filmes:

•    O CORTE – dir. Costa-Garvas, 2005. França.

Após 15 anos de empregado, alto executivo da indústria do papel é demitido por nova estruturação organizacional. Na disputa por mercado de recolocação executiva, elabora planos e os executa pare eliminar melhores concorrentes. Planos nada ético e criminoso. 122 min

•    ROGUE TRADER – Escrito e dir. James Dearden  1999 Grã-Bretania.

Filme baseado no livro biográfico de Nick Lesson, Cita sobre as situações que o motivaram a aplicar em 1995 investimentos de clientes no Banco Bahrings em aplicações muito arriscadas e depois em cassinos. Tornou se alcoólatra somado a isto junto a quebra do banco. Em inglês, e dividido em sete trechos no youtube.Duração total 101 min.

IGOR RAFAILOV – Consultor em Recursos Humanos e Design Thinker

Associado da Policonsult – Poli-UPE. Graduado em Gestão de Recursos Humanos pela Faculdade Marista do Recife. Autor do Dicionário Igor de Fobias. Mestrando em Design na UFPE, foco design thinking, ergonomia, EAD e sustentabilidade

Email rafailov@policonsult.org.br Skype: igor.rafailov
Twitter: @IgorRafailov  –  Cel: (81) 91071767

3

Sobre o Autor:

  Artigos Relacionados

Comentários

  1. Dra. Denise  Abril 9, 2012

    Ygor
    Congratulações pelas suas óticas inusitadas e indispensáveis, não apenas para a área de RH.
    Vale um abç
    Denise Miranda
    Advogada

    responder
  2. silver price  outubro 7, 2012

    Tomar decisões emocionais ou sob forte emoção é um grande erro. Este texto, discutido num programa de TV “Motivação&Sucesso com o Prof.Marins” tem sido utilizado em muitas empresas e universidades para a discussão do tema “tomada de decisões”.

    responder
  3. Anderson Hander  dezembro 24, 2016

    Este vídeo é muito esclarecedor sobre o tema, também:

    https://www.youtube.com/watch?v=_Vzqj2M-5eU

    responder

Enviar um comentário