Ouvimos tanto sobre sustentabilidade, sobre cuidar de nosso planeta, sobre sermos ecologicamente corretos com o meio em que vivemos, que acabamos buscando informações e recursos para criarmos condições de colocarmos tudo isso em prática. No entanto, não nos damos conta de que o mundo externo nada mais é do que um reflexo de nosso mundo interno.

Nos tornamos conscientes sobre os rios que poluímos, mas  e os nossos rios internos? Nossa corrente sanguínea que é constantemente poluída com refrigerantes, álcool, alimentos industrializados, conservantes, realçadores de sabor (que viciam nossas papilas gustativas), corantes, aromatizantes e um universo de toxinas que jogamos em nosso “rio” poluindo-o cada vez mais.

Nosso corpo, assim como nosso planeta, possui uma sabedoria própria para a manutenção de seu equilíbrio e saúde e, mais uma vez interferimos de maneira negativa quando usamos, por exemplo, desodorantes anti-transpirantes, impedindo que as toxinas de nosso organismo sejam eliminadas através de nossa transpiração, gerando conseqüências desastrosas como as citadas em algumas pesquisas que apontam esse fator como um dos possíveis agentes causadores de câncer de mama.

Existe uma vasta relação de inúmeras toxinas que nós mesmos colocamos em nosso corpo e que fazem com que nosso “planeta-corpo” absorva todo tipo de veneno, metais tóxicos como o chumbo contido em muitos esmaltes de unhas e em algumas maquiagens, além das drogas como a nicotina dos cigarros e outras ilícitas.

Não podemos deixar de mencionar todos os conteúdos que introjetamos e que chegam como venenos em nosso sistema físico mental e emocional, já que sabemos que os pensamentos geram emoções e estas geram sentimentos que interferem em nosso físico. Ao assistirmos programas sensacionalistas, filmes aterrorizantes, telejornais repletos de tragédias e violência, ao convivermos com pessoas negativas ou nos colocarmos em contextos destrutivos e contra a vida, estamos também contribuindo para o desequilíbrio de nosso mundo interno.

Da mesma forma como a Terra sofre com o aquecimento global, poluição, desmatamentos e é vítima de graves desastres ambientais como vazamentos de óleos nas águas de nosso mar, vazamento de material radioativo entre tantos outros, quais são os desastres e desequilíbrios que estamos gerando em nosso organismo? Será que não é o momento para sermos ecologicamente corretos com nosso corpo, nossos sentimentos e nossas emoções? Será que não está na hora de percebermos que não somos vítimas e que na verdade, temos grande responsabilidade em tudo o que diz respeito à nossas enfermidades, nossas desarmonias e principalmente nossa vida?

Cabe a nós fazermos a nossa parte e ao cuidarmos de nosso mundo interno, com certeza, será muito mais natural, verdadeiro e possível, criarmos um mundo externo melhor para nós e nossos descendentes.

Simone Filkauskas Sequeira

Terapeuta