Cavalos também respondem aos Florais de Bach

Postado por:

Para participar  do Curso Completo de Florais de Bach, acesse aqui.

Sabemos que animais domésticos — gatos, cachorros etc. — respondem a um tratamento com os florais de Bach. A entrevista com uma terapeuta de equitação em Arlesheim, Alemanha, revela que as essências florais também podem ser aplicadas em cavalos.

O que significa terapia de equitação?
A terapia de equitação pode fazer parte da terapia global de deficientes físicos e mentais e pode ser valiosa na fisioterapia. Para pessoas com grave comprometimento das funções motoras, epilépticos, autistas e pessoas com deficiência mental leve a profunda, a equitação com cavalos, especialmente treinados, tem ajudado muito.

cavaloQuais são as qualidades exigidas do animal para esse trabalho difícil?
Em primeiro lugar, precisamos de um animal inteligente, que tem vontade de aprender e trabalha de maneira confiável. Isto só é possível com animais saudáveis. O pequeno grupo de animais com que trabalho — um árabe, dois conemaras e um islandês — passa a maior parte do tempo ao ar livre, em cavalariça aberta. Até o árabe tem saúde perfeita, graças ao trato natural — apesar da umidade, da chuva e do frio.

E quando surge uma doença?
Em primeiro lugar, são os ferimentos que prejudicam bastante a saúde dos animais, por exemplo, nas pernas e nos cascos. Há feridas de mordidas em conseqüência de lutas pela ordem hierárquica. As feridas são limpas, cobertas com pomada e, no pior dos casos, suturadas. Entretanto, há algum tempo utilizo os florais de Bach quando um animal se fere repetidas vezes e suponho que a causa seja emocional. Ou então, quando surgem os temidos eczemas, contra os quais existem medicamentos químicos, que, no entanto, muitas vezes não curam realmente.

Como reagem suas colegas quando a senhora propõe uma terapia com essências de flores?
Elas reagem de maneira bem humana, às vezes cética. Afinal, estou chegando com uma garrafinha que, aparentemente, contém apenas água. Mas elas também reagem com tolerância e posso realizar o tratamento. Assim como o próprio distúrbio, todas percebem o resultado.

Foi através do tratamento de seres humanos que a senhora chegou aos experimentos com animais. Utiliza essências florais idênticas?
Sim e não. Há distúrbios que evoluem de maneira parecida no homem e no animal. Nesses casos, utilizo as mesmas essências. Mas é preciso evitar uma humanização dos animais. Devemos observar tudo que sabemos de uma espécie animal. No caso de um cavalo, por exemplo, devo conhecer seu lugar no bando, as características próprias da raça e as qualidades de seu caráter.

Poderia dar um exemplo?
Sim, com prazer. O comportamento do líder do bando, Valur, mudou profundamente após a venda de seu amigo. Se antes parecia juvenil e combativo, apesar dos seus 27 anos, de repente, amoleceu e passou a participar de quase tudo passivamente. No decorrer do ano, consegui reativar suas forças vitais com essências florais. Hoje ele está bem novamente, e, apesar da idade avançada, continua sendo chefe do bando.

Para detectar alterações do comportamento, precisamos de uma relação profunda com o animal. Manifestações físicas de um desequilíbrio interior certamente podem ser detectadas com maior facilidade?
Um bom exemplo disto é o garanhão Mervin, que acabou de chegar. Após uma cirurgia da garganta, ele passou a não permitir o trato na barriga e nas pernas traseiras: ele reagia com pânico a qualquer toque. Além disso, surgiu um eczema na inserção da crina e no pescoço — apesar da profilaxia — até que, por fim, toda a região estava inflamada e escoriada. Nesse momento, recorri a uma mistura de florais e o tratei até que ficou apenas uma leve escamação.

Como administra as gotas?
Eu simplesmente as coloco no respectivo bebedouro no estábulo. Quando eles estão no pasto, acrescento as gotas à ração. Mas é preciso evitar que algum outro animal coloque o nariz nessa ração.

O organismo de um cavalo é bem maior que o do homem. Isto representa algum problema?
Se não tivesse feito as experiências pessoalmente, ainda hoje estaria me perguntando se um animal grande precisa de mais gotas ou não. Não é o caso. As essências fazem efeito, mesmo quando por algum motivo a administração não ocorre com a dose ideal. Porém, o uso deve ser contínuo.

Existem outras áreas de aplicação dos florais de Bach em animais?
Estamos experimentando um spray inseticida, utilizado contra as moscas-dos-estábulos. Afinal, os animais não podem ficar inquietos durante o trabalho. Antes, utilizávamos produtos que causam bastante irritação às mucosas, além de serem muito oleosos. Assim, era preciso esguichar os animais após o trabalho. Tudo isso é desnecessário usando spray inseticida: ele não irrita as mucosas, tem cheiro agradável, não deixa o pêlo empastado e evapora espontaneamente. E o efeito é óbvio: os bichos deixam os cavalos em paz por até duas horas. E este é o tempo que trabalhamos em conjunto com os pacientes e os animais.

Fonte: Vita Sana 1/97.

http://www.taps.org.br/Paginas/smentalartigo08.html

2

Sobre o Autor:

  Artigos Relacionados

Comentários

  1. Alexandre gomes parreiras  abril 26, 2015

    Eu tenho um campolina, gostaria de saber quantas gotas posso ministrar por dia e onde consigo comprar em belo horizonte, aguardo seu retorno.

    responder
  2. Magda Godoi  janeiro 26, 2017

    Simone e Luiz, imagine que venho pensando há dias como tratar um cavalo aqui do Rancho que é hiperativo, o florais até sei, mas a quantidade não saberia ministrar.
    E veja que colocando a pergunta na Internet, me aparece vocês.
    Putz, porque não enviei um whats???
    Obrigada pela informação
    Um grande abraço

    Magda Godoi

    responder

Enviar um comentário